quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Diagnostico Organizacional

Check out this SlideShare Presentation:

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

domingo, 15 de novembro de 2009

Auto-Estima





IMPORTÂNCIA DA AUTO-ESTIMA

Fator indispensável no desenvolvimento da leitura e da escrita









Suedem Alceno Medeiros1











Resumo:




O objetivo primordial deste artigo é refletir a cerca da importância do aluno ser incentivado a descobrir seus potenciais em relação ao acesso à aprendizagem de leitura e escrita no âmbito da sala de aula. Nesse sentido, o professor precisa recorrer aos conhecimentos didáticos e pedagógicos de forma reflexiva para descobrir como elevar a auto-estima do educando como objetivo de fazê-lo compreender que a capacidade de aprender é algo que todos têm, e que ela se desenvolve a partir da busca da aprendizagem. A prática pedagógica para desenvolver a auto-estima da criança precisa apresentar ações que sejam relacionadas coma vivência cotidiana do aluno, considerando seus conhecimentos assimilados fora do espaço escolar como aprendizagem importante para a construção do conhecimento escolar. É na sala de aula que o professor tem a oportunidade de mostrar ao aluno que a vida comum fora do espaço escolar é também um aprendizado significativo para sua formação intelectual, pessoal e coletiva.




Palavras-chave: leitura; escrita; prática pedagógica; professor; aluno e auto-estima.













1. INTRODUÇÃO




É comum em escolas da rede pública, principalmente em salas das séries iniciais do Ensino Fundamental, haver alunos que estão na sala de aula, mas que não apresentam nenhum interesse em realizar as atividades propostas pelo professor. Sempre estão indisciplinados e de certa forma acabam prejudicando o desenvolvimento, inclusive, dos outros colegas.

Outro fator que também paralelo a este ocorre, diz respeito à postura pedagógica do professor. Percebe-se que, a questão do professor apresentar

_______________





1 Graduado no curso de Pedagogia Regime Especial com Habilitações nas Series Iniciais e ênfases em Supervisão Escolar – Modalidade Tele presencial – Tele Sala 093 Araguaína-TO
6 º Período de 2007 – UNITINS/EDUCON - Funcionário Público Estadual – SESUS.




uma prática pedagógica que chame a atenção do aluno, continua sendo a grande problemática da escola em relação ao favorecimento de uma aprendizagem significativa.

É, sem dúvida, imprescindível que para o aluno participar ativamente das propostas de atividade que o professor leva para sala de aula, elas têm de ser embasadas em metodologias que estimulem ao aluno a participar da aula.

A auto-estima para ser efetivada, a ação docente precisa se dá conta de que, para a aprendizagem ser concretizada, a prática pedagógica do professor deve proporcionar atividades que tenham sentido para o aluno.

É importante ressaltar que, a auto-estima para ser um fator que estimule o aluno a ler e escrever, o professor precisa compreender como trabalhar com os conteúdos e relacioná-los com a realidade da turma. Esta é uma aprendizagem significativa. Os textos, por exemplo, precisam ser sobre o universo das crianças, na mesma proporção, a produção da escrita.

Importa para que o professor trabalhe bem na sala de aula que ele conheça de perto a própria prática pedagógica, como agir junto aos alunos que apresentam determinadas dificuldades. De posse do conhecimento sobre educação e sobre a importância de colocar o aluno como sujeito da aprendizagem, o desenvolvimento, principalmente da leitura e escrita poderá ser concretizado na escola com mais facilidade.


2. IMPORTÂNCIA DA AUTO-ESTIMA

Fator indispensável no desenvolvimento da leitura e da escrita




2.1 – NECESSIDADE DE MUDAR – PROFESSOR RENOVADO

As reformas em educação das últimas décadas apontam uma demanda criteriosa a respeito da postura do professor em relação à forma pela qual atua em sala de aula. O que se discute hoje entre os profissionais e educação sobre essa questão é que, depende exclusivamente de uma prática pedagógica de qualidade a formação do aluno para enfrentar os desafios atuais.

A necessidade de mudar a maneira de trabalhar os conteúdos em sala de aula não é uma problemática que a conjuntura educacional descobriu recentemente, pelo contrário, desde o início da década de 30, com o manifesto dos pioneiros da educação que os profissionais preocupados com uma educação de qualidade e para todos, vem tentando mudar a realidade da escola em relação ao ensino-aprendizagem. Segundo Aranha² sobre essa questão afirma que:




_______________




² ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. 2 ed. – São Paulo: Moderna, 1996.




Devido ao clima de conflito aberto, em 1932, é publicado o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, encabeçado por Fernando de Azevedo e assinado por 26 educadores. O documento defende a educação obrigatória, pública, gratuita e leiga como um dever do Estado, a ser implanta em programa de âmbito nacional...(p.198)³


Os problemas do atraso da educação brasileira se arrastam a anos no país. Entretanto, na década de 90, as exigências para uma educação de qualidade invadiram todas as discussões sobre a questão da necessidade de mudar a prática pedagógica com o objetivo de melhorar o ensino e que também essa mudança fosse eficientemente capaz de, além de permitir o ingresso do aluno das classes populares na escola, consequentemente, fizesse com que ele permanecesse estudando. Todas essas exigências tornaram-se Leis com a Nova LDB – Lei de Diretrizes e Bases da Educação, n.º 9.394/96 aprovada em 20 de dezembro de 1996.

A necessidade que a postura educacional tem em tomar novas atitudes é tão real que o próprio Governo tem viabilizado o acesso do professor à graduação, em razão de que, em respostas aos organismos externos, o Brasil tem até 2007 para formar todos os professores que atuam na rede pública. Apesar de muitos professores da rede pública já serem graduados, a atuação na sala de aula ainda não permite ao aluno uma aprendizagem significativa e eficiente.

A prática pedagógica uma vez bem articulada e embasada nos pressupostos de que, os conhecimentos prévios dos educandos devem ser respeitados, sem dúvida que essa condição propicia ao aluno a oportunidade de participar do processo ensino-aprendizagem. Essa postura do professor é inquestionavelmente uma das exigências das transformações atuais da educação. Muitos educadores, entre eles, os que fizeram parte do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, já buscavam essa prática educativa, mas que felizmente hoje, essa renovação vem sendo concretizada na rede pública. É verdade que ainda há muito a ser feito sobre a melhoria do ensino, a questão do professor perceber que tem que mudar a prática é apenas um

_______________




³ Esse documento criticava o sistema dual que destinava uma escola para os ricos e outra para os pobres, também reivindicava a escola básica única. Esse manifesto é muito importante na história da pedagogia brasileira porque representa a tomada de consciência da defasagem entre educação e as exigências do desenvolvimento.

primeiro passo.

Além da questão do atraso dessas reformas em relação ao desenvolvimento da sociedade, a valorização do magistério é polêmica. Financeiramente, o professor continua na luta por um espaço de melhores condições de trabalho, de salário entre outros problemas que afetam diretamente a atuação do professor. No entanto, esses não podem ser motivos para não apresentar uma prática pedagógica de qualidade. Porque o professor que realmente é um educador se preocupa com a formação do aluno.

Independentemente das problemáticas externas, o professor precisa impor uma nova concepção de educação de qualidade em sua prática educativa. A luta que se trava quanto à qualidade do ensino, sem dúvida, esta relacionada na busca do professor procurar atuar de maneira que o aluno seja o sujeito da ação de aprender, ou seja, as atividades que são desenvolvidas em sala de aula precisam estar relacionadas com suas necessidades reais de aprendizagem. Para Freire:




Por isso mesmo pensar certo coloca ao professor ou, mais amplamente, à escola, o dever de não só respeitar os saberes com que os educandos, sobretudo os das classes populares, chegam a ela - saberes socialmente construídos na prática comunitária–mas também, como há mais de trinta anos sugerindo, discutir com os alunos o ensino dos conteúdos... (p.33).




A auto-estima do aluno só pode emergir se forem trabalhados na sala de aula, a contextualização dos saberes cotidianos do aluno com os conteúdos didáticos. No entanto, é importante que o professor busque os conhecimentos necessários sobre como renovar sua prática pedagógica, de maneira que ele possa trabalhar dentro dessa perspectiva. O primeiro passo para o professor renovar sua prática é ter consciência, dessas exigências pedagógicas. Esse primeiro passo é o acesso ao conhecimento da concepção de educar.

O ato de educar é uma missão que exige muito esforço do professor, principalmente em relação àquele que se limita ao livro didático, ao espaço restrito da sala de aula e ao conhecimento adquirido ao longo de sua

_______________

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – Saberes Necessários à prática educativa. 24 ed. – São Paulo.

experiência profissional e acadêmica. Educar ultrapassa o objetivo de transmitir conhecimentos.

A pretensão maior da educação renovada é orientar os alunos a compreenderem o mundo que os cercam. O professor para proporcionar uma educação, a qual oriente a criança para compreender as desigualdades sociais, as injustiças, as transformações naturais da sociedade devem ater-se a conhecer, em primeiro lugar, o mundo do seu aluno. As possibilidades de trabalhar numa sala de aula onde o perfil sócio-econômico e cultural dos alunos faz parte das pesquisas, das quais geram ferramentas ao professor, são muito mais propiciadoras de aprendizagem.

Conhecer os problemas extra-escolares dos alunos contribui de forma significativa para compreendê-lo em suas atitudes em sala de aula. A partir do momento em que o aluno se sente parte do processo de ensino-aprendizagem, quando ele percebe que sua vida familiar assume importância no trabalho do professor, é natural que sua resposta enquanto aprendiz seja positiva. É nesse processo pedagógico que o professor consegue criar situações de aprendizagem. A interação entre as dúvidas e curiosidades dos alunos com os conteúdos didáticos resultam em novas perspectivas quanto à construção do conhecimento, uma vez que a escola é mediadora entre o indivíduo e sua inclusão social. Segundo Libâneo :




...A escola tem, pois, o compromisso de reduzir a distância entre a ciência cada vez mais complexa e a cultura de base produzida no cotidiano, e a promovida pela escolarização. Junto a isso tem também, o compromisso de ajudar os alunos a tornarem-se sujeitos pensantes, capazes de construir elementos categoriais de compreensão e apropriação crítica da realidade. (pp. 10-11)




Diante desses compromissos, o professor não pode deixar de reconhecer a importância dos conhecimentos prévios dos educandos como ferramentas essenciais para motivá-los a buscarem condições de acessar os bens culturais, enfim, de construírem o conhecimento sobre o mundo, dessa forma poder questionar e atuar no meio o qual está inserido.




_______________

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. – São Paulo: Cortez, 1998.




2.2 – O PROFESSOR COMO EDUCADOR

Alguns professores têm muita dificuldade em olhar para seus alunos e enxergar o que se passa com ele. Na maioria das vezes, sabem explicar o que aprenderam nas escolas de formação ou nos livros didáticos, sem levar em conta se aqueles alunos se enquadram ou não no caso que querem explicar. A insensibilidade dos professores, da escola e dos órgãos públicos com relação ao processo de aprendizagem é patente e geralmente catastrófica para o ensino.

Em razão dessa postura do professor, muitos alunos, ou quase todos os alunos da rede pública sentem-se desmotivados para permanecerem na escola. Na maioria das vezes, o que o professor trabalha em sala de aula não tem nenhum sentido para eles. Para que o aluno seja estimulado a buscar e construir o conhecimento escolar o professor precisa ser, ao mesmo tempo, um educador.

O que mais falta na educação é a figura do educador. Falta o professor educador que em primeiro lugar se preocupa em conhecer seus alunos e só depois diz a eles, de maneira clara, honesta e adequada, aquilo que os educa, de fato, para a vida.

O grande trabalho educativo deve voltar às mãos do professor. Ele precisa ter liberdade de ação para que se possa exigir dele competência e desempenho profissional à altura dos ideais da verdadeira educação. Sem o professor, não há escola nem tão pouco a educação para todos.

A condição do professor educador é imprescindível para que o aluno assimile os conteúdos na sala de aula. As práticas de leitura e escrita são atividades que solicitam metodologias regadas pela capacidade pedagógica de fazer do ambiente da sala um espaço de troca de experiências, de afetividade. A auto-estima do aluno torna-se nessa perspectiva, uma necessidade para que possam ser desenvolvidas suas competências.




2.3 – DESENVOLVIMENTO DA AUTO-ESTIMA DA CRIANÇA

A prática de leitura e escrita tem sido um dos grandes desafios aos educadores, especialmente de séries iniciais do Ensino Fundamental. A razão desafiadora dessa prática é que ela exige que o professor tenha um conhecimento aguçado sobre a própria prática pedagógica. A auto-estima do aluno para ser desenvolvida solicita que o professor tenha uma postura de educador.

A auto-estima que a criança desenvolve é, em grande parte, interiorizada da estima que se tem por ela e da confiança da qual é alvo. Disso resulta a necessidade de o adulto confiar e acreditar na capacidade de todas as crianças com as quais trabalha. Lembrando que, a auto-estima da criança para ser desenvolvida vai depender grandemente da forma em que o professor se comporta em sala de aula, uma vez que ele que transmite informação às crianças. No ensino da leitura, por exemplo, o aluno tem grande possibilidade de gostar de ler se continuamente perceber que seu professor gosta de ler. E isso deve ser sempre realizado na sala de aula. Segundo o PCN o professor precisa criar condições para formar alunos leitores. Quanto a esta questão expressa que dentre muitas dessas condições, a participação do professor lendo na sala de aula em momentos próprios para o desenvolvimento do ato de ler é fundamental, nesse sentido expressa que é necessário:




Organizar momentos de leitura livre em que o professor também leia. Para os alunos não acostumados com a participação em atos de leitura, que não conhecem o valor que possui, é fundamental ver seu professor envolvido com a leitura e com o que conquista por meio dela. Ver também alguém seduzido pelo que faz pode despertar o desejo de fazer também. (p. 58).




Não há nenhuma dúvida de que é fundamental que o professor tenha metodologias de trabalhos a partir das quais o aluno perceba como deve agir em determinadas coisas. O professor é importante criar situações educativas para que, dentro dos limites impostos pela vivência em coletividade, cada criança possa ter experiências, os seus hábitos, ritmos e preferências individuais. Da mesma forma, ouvir as falas das crianças, compreendendo o que elas estão querendo comunicar, fortalecer sua auto confiança.

O processo de construção da autoconfiança envolve avanços e retrocessos. As crianças podem fazer birras diante das frustrações, demonstrar

_______________

BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental.PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais. Volume 02. – Brasília: MEC/SEF, 1997.




sentimentos de vergonha e medo, necessitando de apoio e compreensão dos pais e professores. O adulto deve ter em relação a elas uma atitude moderada, apoiando-as e controlando-as de forma flexível, sobretudo segura.

A colaboração entre pais e professores é fundamental no acompanhamento conjunto dos progressos que a criança realiza na construção de sua identidade e progressiva autonomia pessoal, talvez a questão dessa parceria entre família e escola é que está um dos maiores problemas do desenvolvimento da criança.

É importante e necessária, a preocupação em demarcar o espaço individual no coletivo para que a criança tenha noção de que sua inserção no grupo não anila sua individualidade. Isso pode se fazer presente, por exemplo, na identificação dos pertences pessoais. E contrapartida, trabalhar o reconhecimento e identificação das outras crianças é também um objetivo importante, porque favorece a formação do sentimento de grupo.

Portanto, para que o professor desenvolva junto ao aluno sua auto-estima, sem hesitar, precisa trabalhar com planejamento, porque este o induz a estudar como realizar as ações em sala de aula, fator que promove ao professor, sua competência didática, bem como o conhecimento aguçado sobre como agir nas diversas situações de ensino-aprendizagem. Nessa perspectiva, é importante referir-se a cada criança pelo nome, bem como que propicie condições de todas elas se conhecerem pelos seus próprios nomes. Para isso, várias atividades podem ser planejadas, com destaque para as variedades de brincadeiras em que se podem inserir os elementos do grupo, propiciando que sejam trabalhados durante a brincadeira. É uma oportunidade de trabalhar de forma espontânea a interação, um dos pressupostos básicos do desenvolvimento da auto-estima.




3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O que se percebe de um modo geral na escola é que a competência do professor torna-se fator de grandes discussões entre os profissionais em educação e da sociedade de modo geral. As reformas educacionais descritas na Nova LDB – 9.394/96 preestabelece as mudanças em relação a pratica pedagógica, as quais são imprescindíveis para que a educação brasileira apresente resultados concretos em se tratando de aprendizagem.

É importante que o professor perceba que para desenvolver a auto-estima do aluno em relação à prática de leitura escrita, ou mesmo em qualquer outra atividade, é necessário que haja mudança significativa em sua prática pedagógica. As reformas em educação solicitam professores que pesquisem sobre o real sentido da educação para que, de posse desses conhecimentos possa proporcionar ao aluno condições de desenvolver suas competências e construir seu conhecimento escolar.

A renovação da prática pedagógica é um grande desafia porque leva o professor a compreender que para ensinar é preciso aprender e perceber que o conhecimento, a aprendizagem do educando se desenvolve gradativamente. é por isso que ele precisa ensinar e educar. Nesse sentido, Coll :




...A realização de algumas tarefas escolares exige que a criança “atenda” as explicações do professor, outras repousam sobre o principio de que o aluno deve executar uma série de instruções precisas; outras outorgam uma importância crucial a fato de que o aluno escolha o que fazer... Em todos os casos citados, pretende-se que a criança seja ativa...(p. 48)




O professor precisa ser capaz de estabelecer uma diferença entre o que o aluno é capaz de fazer e de aprender por si só. O olhar do professor com essas perspectivas é que vai criar situações de aprendizagens onde a criança desenvolve espontaneamente sua auto-estima, a partir de uma aprendizagem significativa dos fatos, de conceitos, procedimentos e atitudes.

A prática da leitura e escrita para ser uma concreta para a criança exige que o professor tenha conhecimento de como se dá o processo de desenvolvimento. As ações do professor educador são imprescindíveis para a sua formação crítica e reflexiva.



















_______________

COLL, César. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. – Porto Alegre: Artmed, 2002.




REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS




ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. História da educação. 2 ed. – São Paulo : Moderna, 1996.




BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. PCN – Parâmetros Curriculares Nacionais. Volume 02 – Brasília: MEC/SEF, 1997.




COLL, César. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. – Porto Alegre: Artmed, 2002.




FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia – Saberes Necessários à prática educativa. 24 ed. – São Paulo: Paz e Terra, 2002.




LIBÂNEO, José Carlos. Adeus professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. – São Paulo: Cortez, 1998.

sábado, 14 de novembro de 2009

A Aguia e o Cristão


Tema: “A ÁGUIA E O CRISTÃO”
Pr. Suedem Medeiros – 63.9995-4599–
Email: pr.suedem@gmail.com

Texto. Is. 40.31 “Mas os que esperam no Senhor renovarão as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fadigam”.

Dos grandes símbolos da Bíblia a respeito dos cristãos, a águia nos dá símbolos maravilhosos.
# FORÇA e PODER (Símbolo da Águia)
a) Estados Unidos = Potência no peito
b) Inglaterra = Potência nas asas
c) Espanha = Potência nas garras
d) Roma = O símbolo de Júlio César Imperador de Roma, era um brasão de uma grande águia com suas asas abertas.
• Muitos países tem a Águia como símbolo de seus governos, cada um tem uma maneira de interpretar a águia.

# O CRENTE TEM FORÇA, PODER E AUTORIDADE dadas por Deus.
a) Quando ele recebe o Batismo com Espírito Santo – At. 1.8
b) Força, poder e autoridade, para expulsar demônios, curar enfermos, falar novas línguas, beber alguma coisa envenenada e não lhe fará mal algum. – Mc. 16.15-18.

I – A ÁGUIA É O PASSARO MAIS VELOZ QUE SOBREVOA OS ARES
1) Sua velocidade chega a 230 Km por hora.
2) Sua agilidade.
3) Ex. 19.4 – “Vistes que o fiz aos egípcios, como eu vos levei sobre asas de águia, e vos trouxe a mim”.
4) 2 Sm. 1.25 – Saul e Jonatas, tão amados em vida, também na sua morte não se separaram. Eram mais ligeiros do que as águias...”
5) O Crente voará numa velocidade de 7 milésimo de segundos, no dia do arrebata-
manto da igreja, para o encontro do Senhor nos ares ( I Ts 4.17).

II – A ÁGUIA E O ÚNICO PÁSSARO QUE ENFRENTA TEMPESTADES
1) Quando a tempestade vem, ela sobrevoa por cima da tempestade, até ela passar.
2) O Crente quando estiver na tribulação, que é a grande tempestade desta vida, o bom é ficar sobre ela. Deus nos fez para ficar por cima e não por baixo!.
• Ef. 6.11-12 “Revestir-vos de toda a armadura de Deus para poder ficar firmes contra as ciladas do diabo...”.

III – A ÁGUIA É UMA VERDADEIRA GUERREIRA
1) Nenhum tipo de animal enfrenta uma águia em uma batalha.
2) O Cristão é um verdadeiro guerreiro do Senhor. E nenhum tipo de tentação pode vencê-lo, o diabo não pode enfrentá-lo (Ef. 6.13-17 – “... para resistir no dia mau, depois de tendes vencido tudo, permanecer inabalável”.
• Armas do Guerreiro cristão: Couraça da justiça – cingindo com a verdade;
Calçai os pés – evangelho da paz; Escuda da fé – pagar dardos do maligno; capacete da
salvação e espadada do Espírito – palavra de Deus.

IV – A ÁGUIA HABITA NAS MAIORES ALTURA: O Crente habita nas regiões celestes na oração.

V – O CAÇADOR DA ÁGUIA É O QUE TEM MENOS ÊXITO NAS CAÇADAS
1) Satanás procura nos destruir – I Pd. 5.8. Mais nós estamos seguros debaixo das asas de Deus = Sl.91.1-4.

VI – A VISÃO DA ÁGUIA É A MELHOR JÁ COMPROVADA PELOS CIENTISTAS
1) A Visão do Crente: Pela obra de Deus; de si mesmo e do povo (Is. 6.1).

VII – A ÁGUIA NÃO ABANDONA O NINHO: O Crente não tem que abandonar a casa do Senhor.

VIII – A MANEIRA COM QUE A ÁGUIA PROVA OS SEUS FILHOS
1) Lança de cima do penhasco: Se ele voar, ela acompanha ao lado. Se ele cair ela segura com as suas garras.
2) O Senhor nos coloca em provação: Se o cristão resistir a prova o Senhor fica sempre ao lado (Daniel, Jonas, e hebreus na fornalha). Se ele começar a desvanecer da prova, o Senhor segura a sua mão (Pedro).

A Riqueza do Impio depositada na conta do Justo


Tema: “A RIQUEZA DO ÍMPIO SERÁ DEPOSITADA NA CONTA DO JUSTO”

Texto. 2 Cronicas 20.20 “Credes em Deus e estarás seguro, Credes em seus profetas e prosperarás”.

• A Bíblia diz: Prov. 13.22 “O homem de bem deixa uma herança aos filhos de seus filhos; a riqueza do pecador porém, é reservada para o justo”.
• Esta promessa é algo tremendo, porém de pouca compreensão entre os cristãos. Porém, qual seria o segredo para esta promessa tornar-se realidade na sua vida?
• Quando o cristão não tem o Dom de adquirir riquezas, ele trabalha para enriquecer o seu patrão, mas quando um servo de Deus recebe tal Dom, seu patrão torna-se seu empregado, pois Deus começa a usar a riqueza do ímpio para prosperar os cristãos.


I – CRISTÃO TOMANDO POSSE DA RIQUEZA DOS ÍMPIOS
1) ISAQUE APODERA-SE DA RIQUEZA DOS FILISTEUS – Isaque, viveu alguns anos na terra dos Filisteus e se enriqueceu a ponto do próprio rei dos filisteus dizer-lhes: Gn. 26.12,16 “Semeou Isaque naquela terra e, no mesmo ano, recolheu cento por um, porque Senhor o abençoava. Enriqueceu-se o homem, prosperou, ficou riquíssimo; possuía ovelhas e bois, e grande número de empregados, de maneira que os filisteus tinham inveja... Disse Abimeleque a Isaque: Aparta-te de nós, porque já és muito mais poderoso do que nós”.
2) JACÓ APODERA-SE DA RIQUEZA DE LABÃO – Salomão disse em Ec. 2.26 “Porque Deus dá sabedoria, conhecimento e prazer ao homem que lhe agrada; mas ao pecador dá trabalho, para que ele ajunta e amontoe, a fim de dar àqueles que agrada a Deus”.
• Jacó, o homem que tinha em suas mãos o Dom de prosperidade, quando saiu das terras de Labão, levou consigo a riqueza de seu patrão de tal maneira, que a Bíblia diz em Gn 31.1 “Então ouvia Jacó os comentários dos filhos de Labão, que diziam: Jacó se apossou de tudo o que era de nosso pai, juntou ele toda esta riqueza”.
3) JOSÉ, APODERA-SE DAS RIQUEZAS DE POTIFAR E DO EGITO – Quando José era escravo no Egito e seu Senhor era Potifar, a Bíblia diz em Gn. 39.6 “Potifar tudo o que tinha confiou às mãos de José, de maneira que, tendo-o por mordomo, de nada sabia, além do pão que se alimentava”.
• Gn. 41.41,42 “Disse mais Faraó a José: Vês que te faço autoridade sobre toda a terra do Egito”.
• Assim então cumpriu-se mais uma vez a promessa de que o justo se apodera da riqueza do impios.
4) OS HEBREUS SE APODRAM DAS RIQUEZAS DOS EGIPCIOS - Mais de um Milhão de Hebreus sairam do Egito, pelo poder da mão libertadora do Senhor que usou a vida de Moisés para isto. E no dia em que o povo saiu do Egito levou consigo a riqueza dos Egípcios. Ex. 12.32-36 (Lêr).
• Todas estas coisas aconteceram e acontecem para que se cumpra o que está escrito no livro de Jó 27.16,17 “Embora amontoe prata como pó, e acumule vestes como barro, ele as pode acumular, mas o justo as vestirá, e o inocente repartirá a prata”.
• O ministério dos ímpios é amontoar riquezas para DAR aos justos.
5) QUANDO O ÍMPIO TOMARÁ A RIQUEZA DO JUSTO ?
• Esta realidade só acontecerá quando Jesus arrebatar a sua igreja. Depois disso, os ímpios poderão administrar as nossas riquezas por um pouco de tempo.

II – DEUS MANDA FAZER PROVA DELE
1) Quando Deus se revelou como “EU SOU O SENHOR QUE TE SARA”. Ele não disse aos homens “FAZEI PROVA DE MIM”. Ml. 3.10
2) Ele prometeu fazer muitas coisas na vida do homem porém a única vez que Deus mandou o homem questionar a sua promessa, foi quando ele falou em dinheiro. Ml. 3.8-11. (Lêr)
3) Deus desafia o homem a investir nEle com DÍZIMOS e OFERTAS, se revelando como a POUPANÇA POR ECELÊNCIA ou seja, a fórmula ou segredo para enriquecer é investir em Deus. Disse Deus: “trazei... e provai-me nisto, se eu não vos abrir as janelas dos céus e não derramar sobre vós bênçãos sem medida”.
• Esta bênção sem medidas significa ao recebê-la você terá condições humanas explicar a fartura recebida. Investir em Deus é a melhor poupança. Ele devolve 100 vezes mais !!!
• A razão pela qual Deus mandou o homem questioná-lo no DAR é porque Deus sempre soube que Satanás costuma colocar avareza nos corações.

Pr. Suedem Medeiros 63.3412-3891/9995-4599

Oferta Regeitada

Tema: A OFERTA REJEITADA
Pr. Suedem Medeiros – 3412-3891, 9995-4599

Texto. Gn. 4.1-7; 8-16

• Adão e Eva – Pais da raça humana, depois do triste epsódio no Éden, foram expulsos do paraíso, coabitaram e tiveram filhos. Um deles chamado Caim “forjado” “adquirido” hb. “canah”, “obtive um homem ó Jeová”. Era lavrador de terras. Depois tiveram um outro filho chamado Abel – Era pastor de Ovelhas

I – O PRAZER DE DEUS EM “ABEL E SUA OFERTA”
E O DESPARAZER EM FACE DA OFERTA DE CAIM.
1) A OFERTA ACEITA - A de ABEL – O Senhor aceitou a oferta de Abel porque este lhe compadeceu diante dEle com fé genuína e consagração. Houve um sorriso no rosto de Abel
• O sacrifício de Abel – v.4 = Abel trouxe dos primogênitos das suas ovelhas e da sua gordura; e atentou o senhor para Abel e sua oferta (Chamou a atenção de Deus) ovelha gorda.
• Deu o melhor que tinha no seu pasto para Deus.
2) A OFERTA REJEITADA – A de CAIM = O Senhor rejeitou a oferta de Caim porque ele estava destituído de fé sincera e obediente e porque as suas obras eram más. (vv. 6,7; I Jo. 3.12 )
• V. 5 - Mas para Caim e para a sua oferta não atentou. E irou-se Caim fortemente e decaiu-lhe o semblante? (tristeza).
• V.6 – Porque te iraste? E porque descaiu o teu semblante? (rosto mau).
• V.7 – Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se procederes mal, eis que o pecado jaz à porta”
• O seu desejo será contra ti - Trata-se aqui da ação do pecado sobre Adão. Uma livre tradução desta parte do versiculo seria. “O pecado está de tocaia junta à porta; seu desejo é possuir-te, mas tú deves dominá-lo”.
• Deus retrata o pecado como uma força tentadora, que de modo semelhante a uma fera ou um demônio, está pronto a atacar e devorar.
• Por outro lado. Deus também concede aos seres humanos a capacidade de vencer e resistir ao pecado

II – DEPARAMOS NA VIDA DE CAIM – V.5
1) O pensamento humano em oposição à vontade divina – Caim irou-se, pois Deus rejeitou sua oferta.
2) A vontade humana em oposição a vontade divina – “o teu desejo é para ti”.
3) O orgulho humano em oposição a humildade que Deus requer – “Se procedres bem, não é certo que serás aceito?’.
4) O ódio humano em oposição ao amor divino – v.8 “vamos ao campo”- Premeditou o assassinato – matou o seu irmão Abel.
5) A hostilidade humana em oposição à comunhão divina. – v.16 “Caim retirou-se da presença do Senhor” - Foi nessa presença que o pecado foi cometido. Desprezou o convite ao arrependimento e perdão. Depois disso, Caim se empenha em criar uma civilização independente de Deus, uma civilização até hoje desviada de Deus.
• v. 11 – “Agora maldito és tu” – Caim foi amaldiçoado por Deus no sentido de Deus já não abençoar seus esforços para estrair da terra o seu sustento.
• “a terra não dará mais a sua força, fugitivo e errante serás na terra”- FALTA ABSOLUTA DE PROSPERIDADE E SEGURANÇA.

IV - CATASTROFE FINAL
Deus colocou um sinal em Caim, para que ninguém o matasse.
Caim ficou fugitivo e casa com sua própria irmã. Tem filhos e um deles chamado LAMEQUE, que casou com 2 mulheres ( a depravação hereditária estava se alastrando progressivamente no lar e na família de Caim).
A iniguidade se multiplica na terra e Deus se arrepende de Ter feito o homem.
DEUS MANDA O DILÚVIO – 8 PESSOAS SE SALVAM – O RESTO MORRE !

TUDO POR CAUSA DE UMA OFERTA REJEITADA !!

A Desobidiencia

TEMA: O RESULTADO DA DESOBEDIÊNCIA DE SAUL -
Pr. Suedem Medeiros

Texto. 1 Sm 15.3 “Vão, pois agora e fere a Amaleque e destrói totalmente tudo o que ele tiver; nada lhe poupas, porém matarás homem e mulher, meninos e crianças de peito, bois e ovelhas, camelos e juntas”.

• SAMUEL - “Ouvir de Deus” - Profeta de Israel, o último dos juizes, ungiu a Saul como 1o. rei de Israel.
• SAUL - “Pedido” - Camponês que foi escolhido para ser rei de Israel. Saul era: imaturo, possessivo, dominador, impulsivo, oprimido por um espírito imundo, herói de grandes batalhas, corajoso, libertador, irreverente, foi reprovado por causa de um holocausto que fez a Deus, quis matar Davi, consultou a médium de En-Dor.
• Deus manda Saul destruir os Amalequitas, que era um povo nômade que oprimia a Israel.

I - DEUS SE MANIFESTARÁ SEMPRE NA HORA CERTA
a) Os Amalequitas, eram um povo de origem antiga e incerta. É provável que seja descendente de Esaú (Gn 36.16). Foi o primeiro a atacar Israel no deserto, e fez traiçoeiramente, quando Israel estava desfalecido.
• Era um foco constante de males causados pelos Amalequitas, pelo qual Deus determinou o seu extermínio. Foi uma espécie de higiene moral e social.
b) A Ordem de Deus era matar a todos - v.3 * Quando você receber uma ordem de Deus execute !!
c) v. 8 - Saul, tomou vivo a Agague, rei dos Amalequitas. Saul também poupou as melhores ovelhas, bois e animais gordo. Ele achou que seria pena matar os animais gordos.
• Devemos executar a ordem de Deus, para que não venha acontecer coisa pior no futuro.
d) v.11 - Deus fala que tinha se arrependido de ter constituído Saul como rei - ELE NÃO OBEDECEU !
• Não tenha medo de confiar em Deus.
e) v.13 - Saul cumprimenta com alegria a Samuel, dizendo que tinha executado a ordem de Deus - SAMUEL ESTAVA TRISTE...
f) DEUS ENVIA UMA PROFECIA A SAUL - Foi descoberta a mentira.
g) vv. 13-23 - Exortação a Saul.
h) v.14 - Foi descoberta a mentira. Samuel ouve barulho de gados e ovelhas.
i) v.15 - Saul jogou a culpa nos soldados - “Eram para fazer sacrifício”.
j) v.16 - Mensagem profética para Saul.
• Lembra-te do que Deus falou. * Vai e destrói estes pecadores até exterminá-los.
• O Senhor tem prazer nos que amam a sua palavra.
• OBEDECER É MELHOR QUE SACRIFICAR.

II - O RESULTADO DA DESOBEDIÊNCIA:
A) V. 23 - “Você rejeitou a palavra do Senhor, Ele também rejeitou a ti para que não sejes mais rei sobre Israel”.
B) v. 24 -“Saul: “Pequei pois transgredir o mandamento do Senhor e as tuas palavras: TEMI AO POVO E DEI OUVIDOS A SUA VOZ” - tem gente que ouve todo mundo mais não ouve a Deus.
C) v. 33 - SAMUEL MATA A AGAGUE REI DOS AMALEQUITAS.

III - O TRISTE FIM DE SAUL
A) 2 Sm. 1.10 - Um Amalequita mata a Saul
B) O Amalequita não fez nada p/ ajudar a Saul e sim matá-lo (Esquartejou-o, cortou a sua cabeça e lhe tirou a coroa e os braceletes e levou a DAVI).
C) MUITA GENTE ESTÁ POUPANDO “AMALEQUITAS” EM SUAS VIDAS
• Poupando o Pecado oculto, idolatria, os vícios, as drogas, o roubo.
• Uma relação ilícita, adultério, o amante.
• Feitiçaria, macumba, espiritismo, os despachos, as defumações, os banhos, o buda, a estatueta.
• O ressentimento, o ódio, a amargura, a ira de alguém, a inveja a ganância.
• A falsa religiosidade, uma falsa aparência, uma falsa personalidade, um falso amor marital.
• SE VOCÊ NÃO MATAR OS PECADOS DA TUA VIDA, OS PECADOS DA TUA VIDA MATARÃO VOCÊ !
• SE VOCÊ NÂO DESTRUIR AGORA, ELES DESTRUIRÃO E MATARÃO VOCÊ DEPOIS.
Ilustração: Moça atraente-Aids / Mulher que fumava- Câncer / A cachaça- tocou fogo na casa (Meu pai).
* MATE: O fumo, a cachaça, droga, infidelidade, desemprego, doenças, opressão, falta de amor no casamento, a mentira, a pobreza, a miséria, o espiritismo, a idolatria.